A polêmica da expedição dos novos 200 títulos.

Após a votação por 77 a 74 pela aprovação da solicitação da emissão de mais 200 títulos de associado proprietário do CRF muitos conselheiros foram atacados nas redes sociais por terem votado contra.

O argumento dos agressores é que a verba que sera obtida com a venda dos novos títulos estimadas em R$2.300.000,00 (200 x R$11.500,00) seria destinada a obras no Centro de Treinamento.

A vinculação da verba da emissão de novos títulos a uma obra especifica é exigência estatutária.

Contudo, ate o momento ninguém se preocupou em estender os motivos pelos quais metade dos conselheiros presentes na Assembléia votou contra a medida, se limitando a ataca-los como se fossem menos rubro-negros ou contra o CT.

Desta forma, cumpre ao Origem trazer alguns dos argumentos trazidos pelos conselheiros em plenário.

  1. Até o momento da sessão nenhum conselheiro foi informado sobre a destinação da verba. Somente no momento da sessão foi justificado que a mesma seria para algumas obras do CT contudo foi apresentado um pseudo projeto em data show de como ficariam os módulos 16 e 17 do CT, sem especificar como os recursos seriam gastos.
  2. O Conselho diretor requereu a emissão dos títulos, contudo não se dignou a enviar um representante para esclarecer as duvidas dos conselheiros para que pudessem votar conscientemente.
  3. Um das duvidas é o numero de títulos de proprietário já emitidos pelo Flamengo e quanto estes 200 novos títulos impactarão na redução do patrimônio do associado (valor do título).
  4. Outra dúvida é qual o numero de proprietariados inadimplentes. É de conhecimento geral que apos a isenção de 5 anos de contribuição do titulo de proprietários muitos associados deixam de pagar a contribuição e se tornam inadimplentes. Não seria melhor cobrar estes valores para conseguir esta verba?
  5. Muitas arrecadações foram feitas para construir o CT, mas todas elas claramente insuficientes. A atual diretoria pretende repetir as medidas das diretorias passadas (tijolinhos, pulseirinhas etc) para continuar enganando que esta terminando o CT? O conselho quer um aporte financeiro efetivo do Flamengo para garantir o fim das obras no próximo mandato e não mais falacias e miniprojetos de arrecadação insuficientes.
  6. O Flamengo abriu mão de muito mais do que os possíveis 2,3 milhões a serem arrecadados para a construção do CT como por exemplo os R$9 milhões da REX que deveriam servir para o CT e foram desviados, os R$6 milhões em renuncia fiscal que o Flamengo informou ao conselho de administração um dia antes que não utilizou para o CT, R$1,5 milhões com vendas dos tijolinhos e tantos outros recursos. Será que realmente com esses possíveis 2,3 milhões o CT sai do papel ou será outra forma de uma diretoria ganhar tempo e aliviar a pressão de sua incompetência para concluir o CT?
  7. O valor de R$2,3 milhões que se anunciou que sera arrecadado com os novos títulos e serão utilizados para a conclusão dos módulos 16 e 17 do CT pode ser muito inferior. Isto porque se um associado patrimonial optar por trocar de categoria e adquirir um destes títulos, ele pagara metade do valor que um novo associado pagaria. Desta forma, o valor a ser arrecadado pode ser de pouco mais de R$1,15 milhão, ou seja, muito menos que o necessário para concluir os módulos. Outra questão é que os títulos podem ser parcelados em ate 20 vezes. Ou seja. Mesmo que seja possível a venda imediata dos 200 títulos, o Flamengo pode conseguir este recursos apenas em junho de 2017. Até la as obras do CT ficarão paradas?
  8. Outra questão é que em que pese a vinculação da verba a construção dos módulos do CT, o que impede a diretoria de utilizar a verba para outra função, a mesma pode simplesmente reduzir a verba para obra no CT prevista para os próximos anos contando que esta verba “tapa o buraco” e utilizar para outras coisas. Ex: o diretoria tem que gastar 5 milhões no CT. A diretoria precisa de 2 milhões para pagar outra despesa. Com a entrada de 2 milhões de verba condicionada para o CT ela reduz o investimento de 5 milhões para 3 milhões no CT mantendo os 5 milhões que necessita investir e realoca estes 2 milhões não condicionados aonde quiser. Ou seja. Esse condicionamento da verba para um fim pode ser burlado desde que já houvesse alguma verba não condicionada destinada para o mesmo fim.

Assim, o Origem roga que antes de atacar pessoas que dedicam seu tempo ao Flamengo sem nenhuma contraprestação e antes de se intitular mais rubro-negro que outros, que cada um faça um exame de consciencial e entenda os motivos que levaram cada conselheiro a votar de uma forma.